Vila Paraíso elabora pratos coloniais para festival

  • 17 de julho de 2014
  • 0
  • 32 Views
Compartilhe:

Tendo como desafio criar um menu inspirado em uma personalidade da região, o Chef Ricardo Barreira, do Vila Paraíso Restaurante, fez uma viagem de volta ao século 18 para se inspirar na elaboração do cardápio que a casa oferecerá na 6ª edição do Festival Gastronômico de Campinas, que acontece de 21 de julho a 17 de agosto.

O restaurante homenageia no festival Joaquim Egídio de Souza Aranha, o Barão de Três Rios, que nasceu em Campinas em 1821 e morreu aos 72 anos. Foi barão, visconde, conde e, por último, marquês. Elegeu-se três vezes vereador pelo Partido Liberal. Em seu último mandato, foi presidente da Câmara de Vereadores, e dá nome a um dos principais distritos da cidade, o de Joaquim Egídio, onde funciona o Vila Paraíso Restaurante.

Para elaborar o cardápio para o Festival, o Chef Ricardo buscou desenvolver um menu onde a cultura do homenageado marcasse presença e as receitas familiares estivessem presentes. Daí veio a inspiração de uma entrada, prato principal e sobremesa com um toque de estilo colonial.

 
 

vp
 
 

Para a entrada, a casa oferecerá um trio de caldo servido dentro de um pão italiano redondo e artesanal, feito no próprio restaurante. Como prato principal, o cliente poderá saborear um Galeto assado e crocante. Com um leve e marcante toque de limão em calda, acompanhado de batatas laminadas gratinadas com bacon, cebola e um suave creme branco. Já a sobremesa é um Pudim de Batata da Fazenda. O menu completo custará R$ 49,90 (a casa abre de quinta a domingo), com direito a música ao vivo nas noites de quinta, sexta e sábado.

Para a abertura oficial do Festival Gastronômico, com o Chefs na Praça, no dia 20, um domingo, o Vila Paraíso Restaurante venderá ao público sua tradicional Cebola Imperial e bolo de sorvete com calda de chocolate, uma receita de família que a casa servirá pela primeira vez.


 
 

Sobre Joaquim Egídio de Souza Aranha, o Barão de Três Rios

 
 

Joaquim Egídio de Sousa Aranha nasceu em Campinas, em 1821. Em 1862, assinou ao lado de outros ilustres campineiros, o primeiro manifesto para fundação da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Foi membro da Guarda Nacional de Campinas, recebendo, em 1855, a condecoração de oficial da imperial Ordem da Rosa. Dezesseis anos mais tarde, foi promovido ao posto de coronel-comandante superior da milícia. Em 1878, dois anos depois de se mudar para São Paulo, foi nomeado segundo vice-presidente da Província de São Paulo.

O Marquês de Três Rios ajudou a construir o Hospital de Variolosos, além de colaborar com instituições de caridade e religiosas. Rico proprietário urbano e rural, foi nome fundamental para o progresso de empresas de Campinas e da capital paulista.

Casou-se com Ana Francisca de Pontes Aranha com quem viveu por 33 anos e teve um filho. Após a morte de sua mulher, casou-se novamente com Maria Hipólita dos Santos Silva, Baronesa de São João do Rio Claro. Foi nesse casamento que originou sua fortuna, estimada em 18 milhões de cruzeiros (moeda da época).

Morreu aos 72 anos em São Paulo, onde foi sepultado.

 
 
Imagem: Divulgação