Turismo sustentável: viagens que melhoram o mundo

  • 4 de março de 2022
  • 0
  • 29 Views
Compartilhe:

Viajar de forma consciente, além de ser uma ótima opção de lazer, faz bem para o turista, para os moradores da área visitada e também para o meio ambiente. O turismo sustentável é indicado para quem tem consciência que sua viagem gera uma série de impactos socioambientais e deseja que estes sejam positivos, contribuindo com a biodiversidade e a população da região visitada.

O setor de turismo é uma das áreas que mais movimenta a economia todos os anos no Brasil e no mundo, gerando milhões de empregos, integração entre culturas, troca de experiências e muitos outros benefícios. Por outro lado, também significa aumento das emissões de gases de efeito estufa, esgotamento de recursos naturais e excesso de lixo.

Com o turismo sustentável é possível fomentar a economia, gerar empregos e renda, compartilhar culturas e tradições com o compromisso do impacto ambiental ser o mais positivo possível. A empresa Vivalá, por exemplo, oferece o turismo sustentável, no qual cria experiências únicas e autênticas, incentiva a imersão em áreas naturais e a mensagem de proteção ambiental, mas fortalece as economias e famílias locais com emprego e renda dignas, além de ajudar no desenvolvimento social em seus programas de voluntariado.

 

Divulgação

 

As expedições são feitas em unidades de conservação, com turismo de base comunitária em conjunto com comunidades indígenas, ribeirinhas, quilombolas e sertanejas, e em programas com ou sem voluntariado em suas viagens. Até 2023, a Vivalá tem planos de expandir seus roteiros para unidades de conservação de todos os estados do país, injetando mais de R$ 1,618 milhões nessas comunidades.

“Hoje o Brasil recebe menos turistas internacionais que o Museu do Louvre, em Paris. Isso demonstra uma oportunidade de crescimento gigantesca, mas esse crescimento precisa ser focado naquilo que a Vivalá acredita ser a vocação do Brasil: tornar-se o maior destino de turismo sustentável do planeta. Somos o país com a maior biodiversidade do mundo e queremos, com o turismo sustentável, provar que a floresta em pé também é muito mais rentável do que destruí-la. A gente constrói isso por meio de experiências de viagem com muita conexão com a natureza e protagonismo das comunidades tradicionais brasileiras, que são as grandes guardiãs desse patrimônio natural e cultural”, explica Daniel Cabrera, cofundador e diretor executivo da Vivalá.

Veja sete maneiras de fazer com que sua viagem melhore o mundo:

 

1 – Valorize culturas e saberes tradicionais

As comunidades tradicionais brasileiras, a partir da sua comunhão com o bioma, são as reais guardiãs da flora, da fauna e das águas. Quando o turismo preserva e valoriza os saberes ancestrais de indígenas, ribeirinhos, quilombolas, sertanejos e outros povos – por meio de oficinas e apresentações culturais ou da culinária regional, por exemplo – permite que essas comunidades mantenham seus modos de vida sustentáveis.

2 – Utilize o máximo de produtos e serviços da rede de fornecedores locais

É fundamental que a maior parte da renda seja direcionada para as comunidades locais e que seu consumo de fato melhore a vida daquelas pessoas. Você pode fazer isso se hospedando em uma pequena pousada, almoçando em um restaurante local, ou até mesmo consumindo produtos e serviços gerados pelos canoeiros, artesãos, guias, confeiteiros, dançarinos, entre tantos outros, que buscam solidificar cada vez mais suas iniciativas.

3 – Coloque a comunidade local como protagonista

Todo projeto ou atração turística deve ser criado em parceria com os comunitários e colocando estes como protagonistas. São eles que vivem a realidade local diariamente, conhecem os problemas e devem apontar as soluções. Organizações que atuam ali devem atuar como colaboradoras, mas sempre ouvindo as populações regionais e jamais impondo suas ideias ou visões de mundo.

4 – Conheça e proteja áreas de preservação

A gente preserva mais o que a gente conhece melhor. As Unidades de Conservação (UCs) são geralmente reservas biológicas, parques, monumentos naturais ou estações ecológicas que devem garantir a proteção e conservação do que vive lá dentro. Um dos destinos da Vivalá, por exemplo, é o Geoparque Seridó, localizado no semiárido nordestino. Nessa expedição, o turista tem a chance de conhecer geossítios e uma rica biodiversidade presente na região, tudo isso dentro de uma área que possui proposta de grande impacto social e ambiental positivo, pois trabalha com a preservação da natureza e de pinturas de 10.000 anos.

5 – Pratique o desenvolvimento pessoal (autoconhecimento, propósito, habilidades, expansão mental)

Cada local desbravado faz com que o viajante desenvolva aptidões que antes não sabia que tinha, além de se desenvolver internamente ao conhecer novos lugares, pessoas e culturas. Ninguém volta igual de uma viagem, principalmente quando se tem uma experiência única. As viagens são divertidas, mas também servem para provocar reflexões e mudanças de atitude, além de ampliar nossa consciência crítica.

6 – Combata os preconceitos

A ignorância é a mãe do preconceito. Ao fazer uma imersão em comunidades indígenas, ribeirinhas, quilombolas ou sertanejas, liberte-se dos estereótipos e esteja de mente e coração abertos para o novo e o diferente – que, às vezes, não é tão diferente assim. O turismo sustentável aproxima pessoas e mostra que diferenças culturais não nos separam, ao contrário, são motivo de celebração e tornam a experiência muito mais enriquecedora.

7 – Apoie organizações sustentáveis

Você não precisa fazer tudo sozinho. Uma das lições do turismo sustentável é a valorização da coletividade, da cooperação e do trabalho em conjunto, cada um fazendo sua parte. Por isso, apoie organizações que atuam em uma ou mais frentes do turismo sustentável, que têm responsabilidade socioambiental e transparência no impacto das suas ações.