Consumo de pescados cresce durante a Quaresma e a Semana Santa em Campinas

  • 18 de março de 2013
  • 0
  • 42 Views
Compartilhe:

A tradição católica de se comer peixe durante a Quaresma e, principalmente, na Semana Santa, remete ao sacrifício de Cristo na cruz e especula-se que tenha começado no século V d.c. O peixe teria sido a melhor opção, tanto pela facilidade em encontrá-lo (a carne vermelha era consumida apenas pelos nobres) como também por ser o símbolo adotado pelos cristãos. 

O costume está ligado a uma forma de praticar o jejum e a abstinência, um ato de devoção típico desse período. Essa tradição faz com que o consumo de peixe aumente consideravelmente nesta época. 
De acordo com Laerte Martins, economista da Associação Comercial e Industrial de Campinas (ACIC), o consumo de carne de peixe na Quaresma, em Campinas, tem uma demanda elevada de 45% acima da média dos demais meses, à exceção de dezembro, quando o consumo cresce em 20%, também em relação à média dos outros meses. 

Martins explica que além da prática de jejum e abstinência à carne vermelha por motivos religiosos, essa demanda pode variar também por efeitos de preços dos produtos. “Este ano os preços previstos para os pescados, incluindo o tradicional bacalhau, é de 8% a 9% acima do verificado no ano passado, em função do efeito da inflação, que está próxima dos 6,5% no acumulado dos últimos 12 meses”, explica ele. As avaliações referem-se à cidade de Campinas. 
Além de clássico nessa época, o peixe é um alimento rico em proteínas, pouco calórico e contém grande quantidade de minerais como cálcio e fósforo, além de vitaminas. Algumas espécies como a sardinha, o atum e o bacalhau, são ricas em ômega 3 – um tipo de gordura que ajuda a controlar a pressão, reduz o risco de doenças cardíacas e o nível de colesterol e triglicérides. 
Durante a Semana Santa, a quantidade de consumo de peixes cresce cerca de 15% nas três unidades do Grupo Giovannetti, de Campinas. Segundo a nutricionista da unidade Cambuí, Fernanda Paes de Barros, são vendidas em média 750 porções do bolinho de bacalhau por mês em cada unidade. Durante a Semana Santa esse número aumenta em 15%.

No bar Catedral do Chopp, em Campinas, há um aumento de 25% nas entradas, pizzas e pratos que tem como ingrediente principal peixe ou frutos do mar. Segundo o gerente José Carlos Bichega, dentre as opções do cardápio, as porções de iscas de peixe, bolinho de bacalhau, camarão e patinha de caranguejo estão sendo as mais requisitadas. 
Na unidade de Campinas da rede de restaurantes norte-americana Applebee’s, o aumento de consumo de entradas, pratos principais e lanches a base de peixes e frutos do mar cresce 27% neste período. “O Brasil é um país tropical e a venda desse tipo de alimento é excelente, mas nesse período o consumo aumenta significativamente”, afirma Eduardo de Simoni Junior, Gerente de Operações da Rede no Estado de São Paulo.

Imagens: Reprodução