“Trair e Coçar” chega ao Teatro Amil

  • 21 de janeiro de 2014
  • 0
  • 29 Views
Compartilhe:

Em março próximo, a peça “Trair e Coçar é só Começar”, de Marcos Caruso, completa 28 anos ininterruptos em cartaz. A fórmula de sucesso pode ser conferida de 23/01 a 27/02, no Teatro Amil, em Campinas, nas quartas e quintas, às 21h. A produção é da BR Produtora.

Recordista de bilheteria teatral no Brasil, o espetáculo acumula cerca de 6 milhões de espectadores em quase 9 mil apresentações desde sua estreia em 26 de março de 1986, no Rio de Janeiro.

Tendo como personagem principal a empregada Olímpia, a peça está em cartaz em São Paulo, desde agosto de 1989, de onde sai somente para fazer turnês pelo País. Apenas três estados do Brasil (Acre, Amapá e Rondônia) ainda não assistiram à montagem.

Em 27 anos, quase cem atores passaram pela peça, entre eles, Suely Franco, Denise Fraga, Adriano Reis, Rômulo Arantes, José Augusto Branco, Ana Rosa, Alexandre Reinecke, Imara Reis, Roberto Arduin, Roberto Pirillo, Clarisse Abujamra, Mário Cardoso e Annamaria Dias.

No elenco atual, a famosa personagem criada por Marcos Caruso é interpretada por Anastácia Custódio. Completam o elenco de nove atores: Carlos Mariano, Cesar Pezzuoli, Lara Córdula, Carla Pagani, Mario Pretini, Ricardo Ciciliano, Siomara Schröder e Ivan de Almeida. A direção geral tem assinatura de Attílio Riccó e o atual diretor é José Scavazini.

 
 

90822323x
 
 

A peça

 
 

A inspiração assumida de Marcos Caruso ao escrever “Trair e Coçar é só Começar” foi o gênero vaudeville – a comédia ligeira baseada na intriga e no equívoco.

Toda a trama se fundamenta em supostas infidelidades. Ao ver a patroa Inês assediada pelo síndico do prédio onde mora, a atrapalhada empregada Olímpia supõe que ela esteja traindo o marido Eduardo, apesar de eles estarem preparando a festa de 16 anos de casados. Depois, ela ouve uma piada de Eduardo sobre “as namoradas” dele e conclui que o patrão também trai.

Na cabeça de Olímpia, Lígia, a melhor amiga de Inês, também está em suspeita, assim como o marido dela, Cristiano. As conclusões apressadas da empregada começam a gerar uma série de “quiproquós” a ponto de, em dado momento, todos os personagens se envolverem numa confusão aparentemente sem saída.

Convicta do princípio de que informação vale ouro, a esperta Olímpia começa a subornar seus patrões e os amigos deles. E a sucessão interminável de mal-entendidos se completa com a chegada de um vendedor de joias e de um padre.

 
 

História

 
 

Marcos Caruso tinha 27 anos quando escreveu a peça em 1979. Depois de permanecer seis anos na gaveta estreou em 1986 e, desde então, escreveu uma das mais marcantes histórias do teatro brasileiro.

O sucesso garantiu a presença da peça no Guinness Book nas edições de 1994, 1995, 1996 e 1997 como a mais longa temporada ininterrupta em cartaz do teatro nacional.

Marilu Bueno foi a primeira atriz a interpretar Olímpia. Depois, entre outras, vieram Suely Franco, Denise Fraga, Vic Militello e Iara Jamra, num total de 13 atrizes – sem contar Adriana Esteves que a interpretou no cinema, no filme dirigido por Moacyr Góes.

Para homenagear a trajetória bem-sucedida do espetáculo, o jornalista João Nunes foi convidado para escrever o livro “25 Anos + Um – A História de Sucesso de Trair e Coçar é só Começar” (Editora Giostri). A obra reúne relatos do autor, dos diversos elencos, de diretores, de administradores e de produtores sobre inúmeras histórias que envolvem as quase três décadas da peça, desde as dificuldades encontradas por Caruso para conseguir montá-la e estreá-la no Rio de Janeiro até episódios curiosos dos bastidores. O livro foi apresentado na 22ª Bienal de SP em 2012. A realização de “Trair e Coçar é só Começar” é da BR Produtora, que está no mercado desde 1984.

 
 

Os ingressos inteiros para a peça custam R$ 50,00. Meia-entrada disponível em todas as sessões e setores de acordo com a legislação.

Informações: Bilheteria – (19) 3756-9890 / 3756-9891 – Horário de funcionamento: de terça a quinta, das 12h às 21h; sexta e sábado, das 12h às 24h; e domingo, das 12h às 20h.

 
 

Sobre a Conteúdo Teatral

 
 

O grupo empresarial paulista Conteúdo Teatral atua há mais de dez anos em duas vertentes: gestão de salas de espaços e produção de espetáculos. Como gestora é responsável pela operação do Teatro Folha, no Shopping Pátio Higienópolis, em São Paulo, e do Teatro Amil, no Parque D. Pedro Shopping, em Campinas. Essa frente conta com direção artística de Isser Korik e direção comercial de Léo Steinbruch, programando espetáculos para temporada em regime de coprodução. No período de atuação da empresa, ao todo, as casas somam 2 milhões de espectadores.

Como produtora de espetáculos, viabilizou dezenas de peças para os públicos infantil e adulto, como “Gata Borralheira”, “O Grande Inimigo”, “Os Saltimbancos”, “A Pequena Sereia”, “Grandes Pequeninos” e “Branca de Neve e os Sete Anões” para as crianças. Para os adultos foram realizadas, entre outras montagens, “A Minha Primeira Vez”, “Os Sete Gatinhos”, “O Estrangeiro”, “Senhoras e Senhores”, “O Dia que Raptaram o Papa”, “Te Amo, São Paulo” e a trilogia “Enquanto Isso…”, além de projetos de humor – como “Nunca Se Sábado…”-, o musical “Um Violinista no Telhado”; e mostras como o “IMPROVISORAMA” – Festival Nacional de Improvisação Teatral. Em sua primeira edição, reuniu os melhores grupos de Impro do Brasil, como a Cia. do Quintal e Barbixas, entre outubro e novembro de 2013. A iniciativa marcou os oito anos do Teatro Amil.

 

Site: www.conteudoteatral.com.br/teatroparquedompedro

 
 

Foto: Divulgação