Médico John Sylvester realiza visita e palestra em Campinas

  • 27 de setembro de 2013
  • 0
  • 29 Views
Compartilhe:

Acontece nos dias 30/09 e 01/10, no Instituto do Radium de Campinas, a visita do médico norte-americano John Sylvester, co-fundador e diretor do Seattle Prostate Institute e do Puget Sound Tumor Institute, ambos nos Estados Unidos.

Principal investigador em vários testes de câncer de próstata, já tendo realizado mais de 3.700 procedimentos de braquiterapia (uma forma de radioterapia em que se utilizam fontes radioativas em contato direto com a região do corpo a ser tratada) para esse tipo de neoplasia, Dr. John Sylvester virá conhecer as instalações do instituto e debater com membros do corpo clínico a respeito das mais recentes e avançadas tecnologias de radioterapia.

 
 

207808-m
 
 

O especialista é um dos três médicos que escreveram as diretrizes mais recentes da Sociedade Americana de Braquiterapia (ABS), usadas por braquiterapeutas de todo o mundo na aplicação da técnica de braquiterapia para câncer de próstata e, no Radium, ele será recepcionado pelo diretor executivo do instituto, Dr. Carlos Roberto Monti – especialista em Radioterapia e Cancerologia pela Associação Médica Brasileira (Colégio Brasileiro de Radiologia/Sociedade Brasileira de Cancerologia) e Conselho Federal de Medicina – e pelo diretor clínico da instituição, Dr. Lísias Nogueira Castilho – urologista e professor livre-docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Dr. John Sylvester vem a Campinas para ministrar a palestra “Câncer de próstata braquiterapia e radioterapia IMRT/IGRT (radioterapia com intensidade modulada /radioterapia guiada por imagem) – resultados e complicações”, em evento organizado pelos médicos André Meirelles (PUC-Campinas), Rafael M. Stopiglia (Centro Médico Campinas) e Wagner Matheus (Unicamp), com coordenação geral do Dr. Ubirajara Ferreira. A palestra faz parte do ciclo de debates “Reforçando conceitos e debatendo controvérsias” e acontece no dia 30/09, às 19h, na Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas, localizada à Rua Delfino Cintra, 63, no Centro. O encontro tem o apoio da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas, do Instituto do Radium e do Centro de Urologia e Saúde do Homem (URO Hominis).

 
 

Câncer de próstata

 
 

Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que no Brasil, em, 2012, ocorreram 60.180 casos novos de câncer da próstata, o que corresponde a um risco estimado de 62 casos novos a cada 100 mil homens.

Nas regiões Sudeste e Nordeste, o câncer da próstata é o mais incidente entre os homens, respectivamente 78/100 mil e 43/100 mil. Sem considerar os tumores da pele não melanoma, mais frequentes nas regiões Centro-Oeste, Sul e Norte.

O único fator de risco bem estabelecido para o desenvolvimento do câncer da próstata é a idade. O aumento da expectativa de vida, a melhoria e a evolução dos métodos diagnósticos e da qualidade dos sistemas de informação no Brasil são fatores que podem explicar o aumento das taxas de incidência no país ao longo dos anos.

No mundo, aproximadamente 62% dos casos de câncer da próstata diagnosticados acometem homens com 65 anos ou mais. Com o crescimento da expectativa de vida mundial, é esperado que o número de casos novos aumente cerca de 60% até o ano de 2015.

 
 
1386282-m
 
 

Braquiterapia

 
 

A braquiterapia cada vez mais se consolida como uma alternativa ou complemento ao tratamento convencional de alguns tipos de câncer. Introduzida no Brasil em 1991, a técnica é menos invasiva e provoca menos efeitos colaterais. Apenas nos primeiros dez anos de atividade do procedimento, o país tratou mais de 26 mil pacientes com braquiterapia.

A braquiterapia – da palavra grega brachys, que significa “curta distância” – consiste numa radioterapia em que se utilizam fontes radioativas em contato direto com a região do corpo a ser tratada. O objetivo é administrar altas doses de radiação em volumes restritos do organismo, o que possibilita um maior controle da doença e menor toxicidade do tratamento nos tecidos localizados nas proximidades do tumor. Uma das únicas desvantagens da braquiterapia é que a técnica não pode ser usada quando o tumor não está restrito a uma área (existe metástase).

 
 
1287062-m
 
 

Imagens: Reprodução