Acontece nos meses de outubro e novembro em Campinas, a 1ª edição do “Improvisorama” – Festival Nacional de Improvisação Teatral. O evento é promovido pela Conteúdo Teatral, em comemoração aos oito anos do Teatro Amil, e reúne os melhores grupos e improvisadores do Brasil e da América Latina, em espetáculos diferentes a cada semana.

As apresentações acontecerão às sextas e sábados, às 21h e domingos, às 19h, no Teatro Amil. Para inaugurar a programação comemorativa, o show de abertura será realizado gratuitamente, excepcionalmente na praça de alimentação do Shopping Parque D. Pedro, no dia 02/10, entre 19h e 22h, com improvisadores de diversos grupos participantes, como a Cia. do Quintal, Os Barbixas e Marcio Ballas.

Os ingressos variam entre R$ 20,00 e R$ 50,00.

 
 

Confira a programação de outubro:

 
 

EVENTO DE ABERTURA
 
2 de outubro, das 19h às 22h

 
 
O público será presenteado na estreia do Festival com uma apresentação gratuita na Praça da Alimentação do Parque D. Pedro Shopping. O evento de abertura contará com a participação de um mestre de cerimônia, um músico e oito atores improvisadores de diferentes grupos participantes desta 1ª edição. “O humor dos jogos de improviso de dupla contra dupla será bem ágil para surpreender o público”, fala o ator e improvisador Ian Soffredini, curador responsável pela seleção dos espetáculos do “Improvisorama”.
Duração: 180 minutos
Indicação etária: livre

 
 

NOITE DE IMPROVISO

 

4 a 6 de outubro
 
 
Espetáculo referência da Impro brasileira, composto por jogos teatrais com a participação ativa da plateia. O público sugere temas para os atores conduzirem as cenas. A direção é de Marcio Ballas, apresentador do programa “Cante se Puder” do SBT, e um dos pioneiros na improvisação teatral brasileira fundador da Cia. do Quintal e cocriador do espetáculo “Jogando no Quintal”, que divide o palco com Guilherme Tomé (“É Tudo Improviso”, Band) e Edu Nunes (“Amigos da Onça”, SBT), com música ao vivo improvisada por Daniel Tauszig.

 
 
09033444
 
 

ESPONTÂNEA

 

11 a 13 de outubro

 
 

O elenco do Núcleo EsTeP, idealizado por Ian Soffredini, desenvolve no improviso uma história completa, com começo, meio e fim, baseado unicamente nas propostas da plateia. Com frases criadas e poemas selecionados das obras de grandes nomes da literatura, o público aponta o rumo e dá inspiração ao desenvolvimento da encenação “long form”.

“O Espontânea tem como embasamento a estética teatral popular brasileira e usa as poesias selecionadas pelo público como motivo para contar histórias engraçadas, emocionantes e muitas vezes ridículas e poéticas… Mas sempre surpreendentes, tanto para o público quanto para os atores”, afirma o diretor da pesquisa, Ian Soffredini.

 
 

SINUCA DE RACHAR O BICO

 

18 a 20 de outubro

 
 

No espetáculo da Cincomédia, que se passa em um bar, a plateia define tudo que acontece em jogos curtos de improvisação, com diferentes formatos competitivos (“catch” e “match”). Após cada jogada, o espectador decide se a improvisação feita merece ou não ser “encaçapada”. Os jogos são feitos por diferentes tipos de personagens de religiosos a beberrões. Com o sucesso de apresentações íntimas, no início de 2009, o grupo decidiu alçar voos maiores fazendo da Impro a sua principal vertente, aprofundando a pesquisa e atuando para grandes plateias.

 
 
9002333
 
 

PASSAGEIROS

 

25 a 27 de outubro
 
 
Coprodução internacional com César Gouvêa, diretor da Companhia do Quintal (“Jogando no Quintal”), e Gustavo Miranda, do Acción Impro, importante grupo colombiano. Em 2007, os atores criaram este trabalho que une os resultados das pesquisas de cada companhia na espontaneidade do clown; agilidade do improvisador; e capacidade de interpretação. A encenação é concebida sob uma dramaturgia compartilhada entre a dupla e a plateia. Baseados nas respostas do espectador, os artistas atuam em seu próprio idioma. Os personagens revivem momentos importantes das vidas de outras pessoas, que elas precisam superar: como uma notícia de peso, um encontro inusitado, um tabu.

 
 
Fotos: Divulgação e Zeh Campos