Todo ano a correria é a mesma. Decorar a casa, comprar presentes de última hora, providenciar os ingredientes da ceia e, pior, passar horas na cozinha no preparo dos pratos até o momento de servir a refeição. Desse ritual todo, uma etapa, a mais trabalhosa e cansativa, tem sido eliminada por muita gente, principalmente entre os mais jovens.
Há alguns anos, a ceia de Natal deixou de dar trabalho e a praticidade impera. A mudança de hábito é confirmada pela nutricionista Bruna Galdiano, gerente da Panificadora Orly, em Campinas. De acordo com ela, a procura por ceia pronta tem aumentado nos últimos anos e a equipe responsável pelos pratos típicos de Natal foi reforçada neste ano: ganhou mais três funcionários. “A nossa expectativa é de um aumento de 80% nas vendas para este final de ano”, calcula ela.
Entre os clientes, há quem encomende a ceia completa, enquanto outros optam por um ou outro prato avulso. “Geralmente, quem procura por nossos produtos são mulheres mais jovens, com pouco tempo para preparar a ceia em casa devido ao acelerado ritmo de vida e trabalho. Também homens jovens, que compram algum complemento como sobremesa para levar para a casa de familiares”, afirma Bruna.
Muitos clientes, especialmente aqueles sem muita prática de cozinha, têm dificuldade em calcular a quantidade de comida por pessoa. Segundo a gerente da Orly, para uma mesa farta, sem risco de a anfitriã passar por constrangimentos, a medida é de 900gr por pessoa. “Geralmente, como é uma festa familiar, os convidados ou familiares ficam muito tempo em volta da mesa e acabam comendo mais do que o normal, mesmo porque os pratos não são os de rotina e apetecem mais”, conclui a nutricionista.

Foto: Divulgação